29/05/2018

A GREVE DOS CAMINHONEIROS RESGATOU OS CAMINHEIROS



Nesses dias de crises são acentuadas nossas vulnerabilidades, a greve dos caminhoneiros acentuou a fragilidade do abastecimento e da dependência do cidadão dos meios rodoviários, da distribuição de alimentos, dos combustíveis e outras coisas mais. Ressaltou que trem só tem em Minas Gerais, afinal lá tudo é trem.

Podemos falar e falar sobre isso com laudas e laudas de texto, expondo reclamações, conceitos políticos e econômicos, podemos colocar na berlinda pessoas, sistemas de gestão e muito, muito mais, mas não é meu objetivo com esse artigo.

Vou falar dos caminheiros, não dos motoristas (seja de qualquer veículo) que estão sem seu precioso veículo de locomoção e perpetuação do marasmo fisiológico, do instrumento para produção de barrigas protuberantes, da produção de artrites, artroses e outras coisinhas mais.

Quem são os caminheiros? Somos todos nós que no impedimento de utilizar nossos veículos nos colocamos a resgatar o caminhar, redescobrimos que a padaria, o supermercado não é tão longe assim, que caminhar faz você apreciar a paisagem com mais cuidado, que há pessoas pelo caminho e que você nem sabia que existiam. Nesses dias você reencontrou seu vizinho, aquele amigo que há muito não via porque não dava tempo de vê-lo no borrão do deslocamento com seu veículo.

Os caminheiros, que somos todos nós, redescobrimos aquela casa, a praça, o jornaleiro que fez parte de nossa infância ou de nossos anos passados.


Na arte do caminhar resgatamos um pouco de nossa saúde e as artrites e artroses até se aliviarão, vão perder a força porque serão trocadas pelo prazer do caminhar, do resgatar nossa memória geográfica de onde vivemos e como chegamos lá.

Nada de ir conhecer paisagens distantes, de ir almoçar ou jantar em bonitos restaurantes, o que fizemos nesses dias foi cozinhar, imagina, descobrimos que isso é possível! Fazer nossa própria comida, escutar seu próprio coração, ter tempo para você e seus familiares.

Tiramos do porão a bicicleta, mesmo que no começo das pedaladas tivéssemos que redescobrir o equilíbrio, descobrimos que a máxima de quem sabe andar de bicicleta jamais esquece é verdadeira. As primeiras pedaladas foram difíceis, mas no decorrer do tempo tornaram-se mais suaves e a paisagem dos caminhos que passamos com a lentidão do nosso próprio esforço fez valer apena cada suor, cada parada, cada resgate dos cenários percorridos.

Os caminheiros estão em todo lugar, sedentos por Paz, por Liberdade, por Saúde e Educação, mas saiba você que sem os valores básicos da vida que estamos resgatando em nosso próprio lar com essa parada, com a caminhada que estamos fazendo pelo nosso bairro; nada será possível fazer, apenas porque hoje muitos não sabem que são, de onde vem e para onde vão.

Um velho filósofo falava que não podemos conhecer ao outro se não nos conhecemos intimamente, hoje a vida é um turbilhão de coisas e isso se torna tão difícil como reconhecer no borrão da paisagem que passa pela janela de nosso meio de transporte a essência da vida.

Aos caminheiros meu desejo que não deixem a caminhada se tornar mais uma vez coisa do passado, pois nesses caminhos que vida nos coloca temos que ter o tempo do tempo, o tempo de resgatar nossos valores mais próximos, aqueles que estão ao nosso e perdemos porque queremos o mundo e nos esquecemos de nós mesmos.

A caminhada é parte da conquista de cada pedacinho do objetivo, mesmo que ele esteja muito à frente.

Vitor Marques
 Executivo de RH, Conselheiro de Carreira e Palestrante

04/05/2018

A QUARTA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E O FUTURO DE UM PROFISSIONAL



A convergência das tecnologias físicas, digitais e biológicas, assim será e vem tomando forma a quarta revolução industrial. A humanidade passou por outros momentos de avanço em que o que era feito passou a ser feito de outra forma, com outros meios e em muitos casos a mudança ocorrida transformou sobremaneira costumes, politicas, conceitos e a maneira de se viver.

Segundo Klaus Schwab, autor do livro A Quarta Revolução Industrial, publicado neste ano - "Estamos a bordo de uma revolução tecnológica que transformará fundamentalmente a forma como vivemos, trabalhamos e nos relacionamos. Em sua escala, alcance e complexidade, a transformação será diferente de qualquer coisa que o ser humano tenha experimentado antes".

A Engenharia genética terá papel fundamental nessa revolução pois seus “novos poderes”. Essa revolução afetará o mercado do trabalho, o futuro do trabalho e a desigualdade de renda, suas consequências impactarão a segurança geopolítica e o que é considerado ético nesse contexto.
Diferente das revoluções anteriores dessa vez não se trata de uma mudança de desenvolvimento tecnológico e sim uma mudança de paradigma.

"A quarta revolução industrial não é definida por um conjunto de tecnologias emergentes em si mesmas, mas a transição em direção a novos sistemas que foram construídos sobre a infraestrutura da revolução digital (anterior)", diz Schwab, diretor executivo do Fórum Econômico Mundial e um dos principais entusiastas da "revolução".

"Há três razões pelas quais as transformações atuais não representam uma extensão da terceira revolução industrial, mas a chegada de uma diferente: a velocidade, o alcance e o impacto nos sistemas. A velocidade dos avanços atuais não tem precedentes na história e está interferindo quase todas as indústrias de todos os países", diz o Fórum.

Bem, diante desse quadro geral quero avançar na questão dos profissionais dessa nova revolução, suas ansiedades e caminhos que chegarão à nossa frente com esse horizonte que se descortina.
Hoje não há uma família no mundo que não se pergunte: “O que vai acontecer ao emprego de meu filho, neto, com a entra da de tantos robôs no setor produtivo? Uma das respostas pode ser encontrada  na literatura das transformações, onde se encontra que nenhuma revolução destrói o que se cria, o que ocorre é a transformação da criação, muitas vezes e ao longo do tempo modificando drasticamente como esta foi criada, sendo assim penso que a grande maioria dos empregos e do trabalho passará por profundas transformações em razão das mudanças que ocorrerão, por exemplo, quem é médico hoje vai continuar médico daqui a 10 anos, 8 anos, mas o que ele faz e como faz será transformado.

Uma grande mudança estará nas profissões “do meio”, por exemplo a profissão de jornalista, muitas reportagens do futuro serão escritas sem a participação do jornalista, isso já é realidade. Há advogados que farão suas petições formatadas somente nas informações, haverão médicos que confiarão mais no diagnóstico robotizado e no big data do que na sua própria avaliação sintomática.
No Brasil, segundo pesquisa da CNI (Confederação Nacional da Indústria) menos de 40% das empresas nacionais estão na quarta revolução industrial, mas há setores como o financeiro e no setor de serviços onde a velocidade de adequação é muito grande. No mundo lojas físicas fecham suas portas pois o E-commerce substituiu a necessidade disso.

Essa transformação traz um risco grande de que a desigualdade seja aumentada por essa revolução tecnológica e por consequência o emprego, mas é uma mudança sem volta, daí a necessidade de transformação, adaptação. A remuneração do capital nunca foi tão grande hoje quanto a remuneração do trabalho, o que leva a discriminação do trabalho em troca do capital.

Essa mudança tende a fazer com que as empresas que antes saiam de seus países e vinham ao Brasil em função da mão de obra mais barata não o façam mais porque não necessitarão disso e pior, as que aqui já estão provavelmente farão o caminho de volta a seus países de origem.
A saída é acompanharmos essa revolução, mas o que estamos passando politicamente não abre tal horizonte, pelo contrário, o sucateamento da educação, da pesquisa, do desenvolvimento das novas competências necessárias a 4ª revolução, não nos dão esse alento.

Precisamos mudar essa tendência e aqueles que podem devem buscar desde já os novos caminhos em suas profissões, buscar novas maneiras de se transformar suor em tecnologia, dizemos que quem trabalha não tem tempo para ganhar dinheiro, uma frase que possui sabedoria e adaptabilidade a essa nova fase da economia mundial.

Buscar a evolução pessoal na educação geral, na visão total das circunstâncias e não nas pequenas cenas do cotidiano, ampliar horizontes pela visão dos olhos e principalmente na visão tecnológica é o caminho. Precisamos reconhecer as habilidades existentes em nós e desenvolver as novas que estão ligadas ao mundo da produção.

A realidade brasileira não nos motiva em confiar que nosso país está no caminho seguro dessa nova revolução, o que me resta aqui é incentivar cada um a sair da zona de conforto e buscar seus próprios caminhos, se puder busque fora, busque seus sonhos, mas não sem antes avaliar os caminhos que estão aos poucos perdendo a neblina que normalmente o futuro nos impõe.

Seja um geólogo lunar, um piloto de drone, um cientista da internet, um megaempresário do E-Commerce, enfim viaje pelo mundo das oportunidades. 

Boa Sorte.

Vitor Marques (Executivo de RH, Conselheiro de Carreira e Palestrante)

18/04/2018

PORQUE EXISTEM MUDANÇAS?



Considere esta semana uma semana especial, uma semana onde você tem a oportunidade de efetivar aquela(s) mudança(s) que vem adiando há muito tempo.

Esta semana será decisiva para você. Mudará a forma como agir, mudará paradigmas de suas realizações profissionais. Estará mais aberto ao universo e as suas mutações mais discretas.

A mudança é dificil, sabemos disso. Passa por pelo menos tres fases: Motivação para mudar, Saber onde mudar e a ultima fase Manter essa mudança, talvez a mais dificil mas que se concretizada ao longo do tempo fará que a mudança realizada se incorpore ao seu comportamento natural.

Mudar é preciso, principalmente em nossos tempos, mas saber fazer isso é uma das artes mais difíceis que o ser humano deve desenvolver.

Abstermos de rotinas enraizadas em nossa personalidade ao longo de toda uma vida nos custa mais do que imaginamos, mas a vitória do sucesso de nossas mudanças é imcomparável.

Vamos lá, faça dessa semana uma semana diferente, tome pequenas atitudes com grandes reflexos. Seja diferente, faça diferente.

Mude seu caminho habitual de ir e retornar de seu trabalho. Vá a locais que estão esquecidos em sua memória. Cumprimente a todos seus desafetos, made mensagens de amizade e luta conjunta. Reflita sobre seu presente e terá um futuro brilhante.

Em minhas reflexões tenho constatado que “Mudamos porque sentimos o desafio de nossas convicções pessoais, mudamos porque sentimos o sangue correr em nossas veias, mudamos porque queremos ser mais úteis a sociedade, mudamos porque queremos mudar, progredir e chegar a lugares novos, não somente naqueles onde ninguém jamais esteve mas também naqueles onde mesmo já tendo pessoas anteriormente, não foram deixadas marcas. Mudamos essencialmente para sermos felizes e isso sei que você também quer - por isso MUDE, HOJE, AGORA”

Mudar é a constatação da evolução pela qual todos devemos passar, se você não muda você está parado na sua vida, condenado a mesmice de tudo igual e claro, com os mesmos resultados.


Vitor Marques
Executivo de RH, Conselheiro de Carreira e Palestrante