VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

03/07/2012

O CONFLITO NECESSÁRIO

Durante a minha carreira, tenho visto muitos conflitos serem evitados ao máximo dentro das organizações, visando a manutenção do bom ambiente e do status quo. Um colaborador deixa de apontar um problema verificado por que tem medo da represália do Líder (que deveria agradecê-lo), o Gestor não aponta uma possível melhoria no processo, pois tem medo de como outro Gestor envolvido neste processo vai se sentir. As pessoas aceitam situações erradas colocadas por determinado Líder, pois sabem que não serão ouvidas. O Líder não corrige o funcionário, dando-lhe feedback sobre pontos a melhorar (e cumprir o principal papel de um Líder) somente para evitar o conflito. O Gestor não faz julgamento correto da equipe, premiando quem merece, pois teme conflitos com os demais. Na vida pessoal também é assim, deixamos de corrigir os filhos para evitar conflitos e muitas vezes os perdemos para um mundo desconhecido. Deixamos de conflitar com o parceiro (ou parceira) e deixamos o relacionamento se deteriorar e é o fim. Os conflitos afinal, devem ser evitados? Em um bom ambiente de trabalho não deve haver conflitos? E nas escolas, nas universidades, na política, na economia, devemos evitar os conflitos para manter o status quo? Normalmente os conflitos existem porque trazem em si questionamentos, dúvidas e sugestões. E questionamentos, dúvidas e sugestões são ruins? Em nome de se evitar conflitos, devemos deixar de questionar, de ter dúvidas e de propor melhorias? Eistein questionou vários cientistas e teorias de seu tempo e deixou-nos o legado que todos conhecemos. Muitos o questionaram e o chamaram de maluco, mas ele não fugiu do conflito, teve convicção e desenvolveu as teorias que baseiam a física moderna. E no ambiente de trabalho? Como encaramos os conflitos? Questionamos o que nos dizem? Damos sugestões, fazemos propostas, ou ficamos quietos, deixamos as coisas como estão só para fugir de conflitos? Acho que há dois problemas que fomentam o ´não conflito´ nas empresas. O primeiro é que não há profissionalismo nos conflitos. Infelizmente, as pessoas levam para o lado pessoal, não enxergam o conflito como uma possiblidade de melhoria, não enxergam que os conflitos são necessários para que haja oxigenação de ideias, melhoria nos processos, mudanças, melhores resultados, crescimento do negócio. Ao contrário, quando alguém conflita, fica marcado e quem se sente ´prejudicado´ não vai perder a oportunidade de vingar o companheiro na primeira oportunidade. O segundo problema é que muitas organizações não enxergam o conflito como algo positivo, pois o alto escalão dessas empresas normalmente é centralizador, não aceita ser questionado e leva isto para os níveis de baixo, ou seja, a cultura do ´não conflito´ está institucionalizada. É uma pena que isto ocorra, pois a necessidade de competir num mercado cada vez mais difícil faz com que as empresas busquem melhorias a cada momento e isto só é feito num ambiente de questionamento, de dúvidas, de sugestões...de conflitos. Líder, o seu papel é garantir resultados e ter um ambiente onde as pessoas possam propor, sugerir e implantar melhorias lhe ajudará muito nessa missão. Pense nisso. Carlos H. Casarotto Consultor de RH, parceiro carloscasarotto@casarottodho.com.br

Nenhum comentário: