VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

18/12/2012

Estou com o saco cheio de Mensagens!




Mensagens de Natal e Ano Novo a esta altura viajam numa velocidade assustadora pela internet, pelo rádio e tv, pelas velhas e queridas cartas, pelos cartazes de marketing, nas lojas, nos shoppings, enfim por tantos locais que a poluição vermelha invade tudo.

O quanto dessas mensagens assimilaremos, pelo menos em parte? Quanto?

Tenho certeza de que a maioria esmagadora dessas mensagens é positiva, tentam transmitir carinho, afeto, amor, solidariedade, paz e tudo de bom! Sinto que a cada ano, cada vez mais, essas mensagens ficam ao vento, embaladas pelo consumismo e esquecidas nos cantos de nossos corações. Ficamos extasiados em comprar e esquecemos de amar, preocupados em ter e deixando de “ser”, sedentos de quantidades e avarentos de qualidade, mortos de inveja e esquecemos da essência que se vê na igreja (igreja sem rótulo – aquele definida pelo agrupamento de pessoas em nome do Deus em que você tem fé).

As mensagens que falei são pobres pois é fato que no dia 26 a maioria das pessoas já as esqueceram e estão envolvidos na luta sangrenta pela sobrevivência, se esquecem dos amigos e só lembram-se dos inimigos. Querem a guerra esquecendo da Paz, querem a briga esquecendo-se do amor, querem sobreviver a todo custo e esquecem que há custo na sobrevivência.

Não queria escrever mais uma mensagem, elas me parecem ser passageiras. No Natal quero ser Motorista, dirigir meus sentimentos para o lado maravilhoso da vida que é VIVER sendo e não tendo.

Os amigos quero ao meu lado - sempre,
não só agora, mas eternamente;
a família quero eternizar e amar,
não me importo em uma casa pequena morar;
Quero um palácio na alma,
isso me acalma.
Não desejo felicidades,
Quero é o amor gratuito pela eternidade.
No Natal darei presentes,
Profundos, pequenos e inteligentes;
Frascos pequenos com carinho;
Gotas de serenidade;
Abraços de Fraternidade;
Beijos de manteiga, que escorregam pela face,
E de mansinho chegam ao coração.
No Ano Novo não direi “tudo de bom”;
Darei apenas um bombom
Assim ele será doce
E nele você passará quase que embriagado,
Adocicado pelo chamego da ternura de meus desejos.

Como escrevi no começo desse texto, não queria escrever uma mensagem, mas o momento é único e mais uma vez me ví envolvido pela receita de bons fluídos que começam com o texto e agora chegam dentro de você, sinta isso – um forte abraço em seu coração e certeza de que somos FELIZES.

Até mais, de seu Papai Noel de Plantão para o Mundo. Ho! Ho! Ho!


Notas do autor

 Sobreviveremos mais um fim do mundo – Lembra-se 21/12/2012. Agora é história para os filhos e netos, assim como o cometa Harley é.
 "Ter Atitude - Assim de repente, como tudo acontece..." (Betinho) – Onde está a “FOME ZERO”, talvez enterrada com Betinho, com certeza esse ideal até hoje está, não tornou-se realidade. Pena, pois não adianta construir Brasílias mil se a fome impera no Brasil.

Vitor Marques
Dez/2012, quase antes do fim do mundo!

Nenhum comentário: