VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

21/12/2011

INOVE EM 2012



Antes de iniciar meu raciocínio neste artigo quero esclarecer aspectos que me levam a escrever uma espécie de desabafo.

Não tenho a pretensão de ser marqueteiro ou criador de modismos que normalmente se definem conforme interesses de grupos econômicos, mas pelo contrário, nesse cantinho das festas de final de ano, começo a refletir sobre novos horizontes que se descortinam, não pela simples virada de um calendário onde o ano de 2011 dá lugar ao ano de 2012, mas sim pelo momento em que vivemos.

Nesses tempos sou impelido a compartilhar meus pensamentos, momentos especiais de reflexão, momentos em que paramos e pensamos, raros momentos esses, pois temos o péssimo hábito de sermos engolidos pela rotina fantasmagórica de nossas vidas, nossos objetivos delineados nem sempre com base sólida nos consomem os preciosos minutos de nossas vidas, às vezes, nem nos permitimos planejar, somos movidos pelos acontecimentos do dia a dia e as reações pontuais a cada um deles. Mas esse momento especial que falei, você aí onde quer que esteja, deve ter pensado em perspectivas, em planos, talvez mesmo você tenha sido envolvido no turbilhão da sociedade que atribui a simples virada do calendário todas esperanças de transformação que possamos desejar.

Durante estas festas de final de ano, 2011, devemos parar por um momento o turbilhão de planos que estamos tocando em nossas vidas e nos deparar com uma palavra chamada FUTURO e aí buscamos redefinir ou validar nossa estratégia para este novo tempo próximo, sentimos o momento de nossa família e avaliamos necessidades e objetivos a curto, médio e longo prazos. Refletimos sobre as escolhas que fizemos e que estamos por fazer, ficamos interiorizados em nossos pensamentos para escolher os caminhos corretos para aquilo que desejamos, mas ainda não temos certeza de que conquistaremos.

Amigos, ficamos assim analisando, consumindo o tempo de nossa confraternização, ficamos refletindo, assimilando sentimentos e fatos. Mas algo incomoda em nosso futuro próximo, a alardeada crise econômica que se transforma em outros tipos de crises, a crise ideológica, as crises humanas refletidas nas guerras existentes ou que estão eclodindo em vários cantos do mundo. Resultado da mais pura idiotice humana, temos certeza de que é uma crise fabricada por pessoas inescrupulosas, pessoas sem fronteiras sociais, pessoas gananciosas que vivem em função das desgraças de outros. Assim vamos passando esses dias, amargando incertezas e cultivando a crise de nós mesmos.

Entendo que esta tal crise, diria a crise é permanente e é resultante do incerto, do especular que não existe, de nossa capacidade de fabricar mundos virtuais e não sustentáveis, do dinheiro que não existe de fato, mas que cria dívidas concretas. A crise do nada que abala o todo.

Para todas essas incertezas apenas um caminho resiste e de fato é solução para nossa vida e de nossa sobrevivência como sociedade e até como planeta. Tenho insistido há algum tempo em minhas palestras e oportunidades em que esse contexto surge, escrevendo ou falando que o primeiro passo para combater essa crise é tirar o “S” da palavra. Mas como fazer isso?

Assumindo nossa parte criativa e apropriada ao nosso micro universo de vida.
Nessa linha, pensando na combinação de matemática e português, proponho uma ação de alquimia, ou seja a adoção de uma mensagem simples mas que represente a força da busca por transformação, por superação, por busca de ideais supremos. INOVAR é parte dessa solução.

Inovar é ter um antídoto pessoal e quem sabe global contra a propagação de qualquer crise virtual ou material. É motor propulsor de explosão da verdadeira consciência humana, depende somente de nós adotá-la, como frase e como atitude propagando essa força motriz. Com essa força podemos reestruturar nossos pensamentos e projetos, conforme pensamos e desejamos. Podemos juntos estabelecer a ordem social da boa convivência, respeito e amor entre todos nós.

Realmente me esforçarei para que minhas forças sejam regidas pelo poder da criatividade, da verdade, da criação de um mundo melhor. Podemos assim juntos, unindo forças e desejos iniciar uma campanha interna de transformação, como um pássaro que todos os dias busca alimento, podemos juntos a cada dia buscar nosso alimento motivacional e sobreviver perpetuando nossa espécie.

O desejo da superação é proporcional a sua capacidade de inovação, de criação de novos pensamentos, de conduzir atos de independência e auto libertação e finalmente na conquista de seus projetos. Depende somente de nós.

Vitor Marques
Gestor de Pessoas e Palestrante Motivacional
Dez-2011

Um comentário:

Edson disse...

Concordo plenamente com as suas colocações, e é fundamental assumirmos a nossa responsabilidade para darmos outro direcionamento para a situação que nos encontramos atualmente.
Gostaria apenas de complementar a importância da família na sociedade. Organicamente a família sempre esteve vinculada a sociedade, pois ela é geradora de cidadãos, e nela encontramos a primeira escola das virtudes sociais, que dão vida ao desenvolvimento da sociedade.

Mesmo diante da realidade social que hoje vivemos, totalmente comprometida com a inversão dos seus valores, ainda nos resta a esperança da sua transformação, pois a família sendo o que é, está fundamentada no dever de serviço à vida e alimenta a sociedade continuamente.

Ainda que a sociedade influencie negativa e fortemente a família, nas mais diversas formas e canais de comunicação, a família ainda é convidada a esforçar-se pelo bem da sociedade onde vive, orientando os seus membros a afastar-se do mal e promover a paz entre os homens, através do anúncio testemunhado da Palavra e da prática dos valores cristãos e dos valores humanos, tais como: honestidade, moral, justiça e ética.

Temos uma missão a cumprir, enquanto membros da família, diante da sociedade, na conscientização de todos sobre os seus direitos e deveres frente às outras famílias, respeitando a liberdade própria de cada um e contribuindo para o crescimento do bem com atitudes coerentes.

Nós como cidadãos que somos, precisamos levantar nossa bandeira a favor do bem comum e fazermos a nossa parte. Somente agindo seremos capazes de favorecer positivamente a transformação de outras pessoas, famílias e a sociedade.

Acredito que muitos estão chegando a conclusão da necessidade de ações, individuais e outras em conjunto para mudanças significativas.
Obrigado pela sua publicação.
Edson Geraldo de Oliveira