VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

17/10/2016

EM BUSCA DO TESOURO!

O QUE FAZER PARA A RECOLOCAÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO?
Os piratas enterravam seus tesouros e para que não esquecessem o local onde isso foi feito, produziam um mapa com detalhes minuciosos para que no futuro pudesse localiza-lo. Esse procedimento gerou por inúmeras vezes e até hoje gera, a busca incansável pelo Mapa do Tesouro e o seu prêmio. Um pedaço de papel que aponta o passo a passo da possibilidade de encontrar um tesouro valioso, de proporções para mudar a vida de quem o acha, porém todo mapa pode ser o verdadeiro ou falso, há mapas que foram feitos de forma complexa, mas que a nenhuma fortuna levam, pelo contrário, levam a ruína de seus caçadores.

Há ainda mapas tão complexos nos detalhes que acabam desmotivando seus caçadores ou até mesmo tornando a busca insana, por outro lado a astúcia do caçador deve fazer com que decifre entre as linhas e pistas do mapa o verdadeiro caminho a seguir, esses mapas acabam muitas vezes levando o caçador a uma vida inteira de ansiedade muitas vezes sem efeito, frustrações momentâneas ou permanentes. Em poucos casos o caçador terá o êxito e chegará a um tesouro.

Gerenciar a própria carreira. Quantos são os profissionais que dedicam tempo e atenção à análise da própria formação e quais são as perspectivas de emprego no ramo em que atua? Esta pergunta, aparentemente retórica, pode ser justamente a "pausa" para refletir sobre como se está cuidando da trajetória que pretende seguir no mercado de trabalho.

Muito mais do que escolher quais vagas deseja ocupar, há de se definir, por exemplo, o que é "sucesso" e como, de fato, chegar até ele. Neste processo, elementos como a própria oscilação do mercado e oportunidade de inovação no setor de atuação podem ser soluções que estão sempre próximas da realidade, mas distantes da percepção. Por isso, profissionais como HeadHunters e Coach de Carreira são fundamentais. Uma visão "cirúrgica" de fora pode ser a chave para desencadear prosperidade na busca pelo primeiro ou por um novo cargo.

Partindo desse conceito buscar um Emprego é como seguir as pistas de um mapa do Tesouro, então aqui vão algumas dicas: A forma de buscar um novo emprego mudou muito nos últimos anos. Não mais deixamos currículos em papel nem preenchemos fichas nas empresas. Porém, alguns cuidados continuam sendo importantes, vamos aos principais erros de quem está no processo de recolocação profissional:

1 - Pouca referência sobre Empregabilidade - Não compreender seu grau de empregabilidade e não saber em que mercado competir pode ser o fim de algo que nem ao menos começou. A falta de direcionamento resulta não apenas em gasto de tempo com oportunidades que pouco se encaixam ao perfil profissional, mas também estagnação - já que o indivíduo permanece em busca de algo que não sabe bem o que é.

2 - Não mensurar as próprias competências - Erro recorrente. Não conhecer os próprios talentos e suas oportunidades de melhoria, criar uma grande miopia referente às próprias habilidades e competências, e abrir expectativas de poder ocupar um cargo ou posição sem ter o perfil comportamental adequado dificulta qualquer chance de recolocação profissional.

3 - Tentar se adequar a vagas aleatoriamente - Não conhecer seu perfil profissional acarreta na visão distorcida de que é possível ocupar qualquer vaga - sem critério. Num mercado de trabalho tão competitivo, dar ênfase às especificações torna-se o diferencial, e isso pressupõe abrir mão de alguns cargos pouco correspondentes à formação que se teve ao longo dos anos;

4 - Propor salários fora da realidade do mercado - Tanto para valores altos quanto para valores muito baixos, propor um valor errado pode ser o fim da disputa pela vaga. São necessárias pesquisas em diversas fontes - tanto em sindicatos ou outros órgãos que delimitem um valor base para a profissão exercida, como também consultar quem já trabalha na área há tempos e pode compartilhar informações sobre salários;

5 - Desorganização no momento de compor o currículo - Não ter um currículo bem elaborado pode fragilizar a primeira etapa do processo seletivo: o recrutamento, nem sendo convidado para uma entrevista. O curriculo é, literalmente, seu resumo profissional. Logo, organização e clareza são requisitos básicos;

6 - Pouca experiência com entrevistas de emprego - Comunicar-se e saber comunicar sobre si mesmo requerer autorreflexão sobre o campo pessoal e profissional. Postura, objetividade, atenção, empatia e domínio total da oratória precisam ser transmitidos durante a entrevista de emprego. Não dominar as técnicas de entrevistas e fragilizar sua apresentação pessoal, onde muito candidatos são reprovados pois não sabem expressar o que tem de melhor;

7 - Networking pouco desenvolvido - Definir qual segmento de mercado quer atuar também pressupõe conhecer quem são os principais nomes que ganham destaque pelos trabalhos que executam. Não investir em networking profissional é como saber onde deseja chegar, mas não tem noção de quem pode lhe fornecer conhecimento sobre a área e, inclusive, ouvir sobre seus projetos. 

Visibilidade profissional também está atrelada à capacidade de criar uma rede de contatos sólida com diferentes pessoas a compartilhar informações úteis.


Nenhum comentário: